Apoiador de Bolsonaro, Gusttavo Lima é indiciado por crime pela Polícia Civil


Última atualização em 01/03/2018 às 08h41, por Trajano Neto

Por essa os fãs do cantor Gusttavo Lima não esperavam. Ele, que na semana passada se declarou apoiador do pré-candidato a presidente Jair Bolsonaro e afirmou ser a favor do porte de armas, acaba de ser indiciado pela polícia por crime ambiental, de acordo com informações do Jornal Hoje.

Segundo o telejornal, o artista aumentou a represa de uma fazenda que possui em Bela Vista de Goiás, Região Metropolitana de Goiânia, sem possuir licença para a obra. Em nota, a assessoria do cantor afirma que o seu advogado não tem conhecimento sobre a conclusão do inquérito.

“Não foi feita uma perícia técnica que pudesse comprovar as irregularidades mencionadas”, diz o cantor em nota. Segundo a equipe do músico, as obras já feitas foram autorizadas e que a obra da represa só ocorrerá após liberação das licenças. O delegado Luziano de Carvalho nega.

Ele é titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema) e afirma que a represa já possui três hectares de tamanho e o intuito era chegar a quatro hectares, sem a devida autorização da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima).

“O Batalhão Ambiental foi ao local por duas vezes, uma no fim de 2017 e outra já neste ano, e, em ambas, encontrou máquinas trabalhando no local. Foram feitas duas ocorrências e, apesar de terem um protocolo com o pedido da licença, o documento não havia sido expedido”, disse o delegado ao G1.

Ainda segundo ele, a represa estava sendo ampliada por motivo de lazer. Gusttavo Lima, agora, responderá pelo crime previsto no artigo 60 da Lei 9.605, sobre construção ou ampliação de obras potencialmente poluidoras sem autorização dos órgãos competentes. A pena em caso de condenação varia de um a seis meses ou multa.

Fonte: TV Foco