Ministério do Trabalho e Emprego interdita fábrica em CG após rompimento de silo que matou trabalhador


Última atualização em 10/08/2018 às 08h43, por Klebson

Após rompimento de silo que matou um trabalhador e deixou outro ferido em uma fábrica de alimentos em Campina Grande, o Ministério do Trabalho e Emprego interditou as instalações da empresa ASA Indústria e Comércio Ltda, nesta quinta-feira (9). O Ministério Público do Trabalho, inclusive, já tinha procedimento aberto contra a empresa devido a irregularidades no ambiente de trabalho e na sua parte operacional, e uma ação civil pública ajuizada pedindo pagamento de dano moral coletivo no valor de R$ 500 mil.

Toda a rede elétrica do prédio foi desligada para evitar um novo acidente e, pela manhã, órgãos ligados à prevenção e à segurança do trabalho foram à fábrica. O laudo de interdição foi entregue à empresa às 10h desta quinta-feira (09).

O procurador do Trabalho em Campina Grande, Raulino Maracajá, disse ao Portal ClickPB que a fábrica está totalmente interditada e que na noite de ontem (08) mesmo foi recomendada a suspensão das atividades, após inspeção do Ministério Público do Trabalho (MPT). Hoje (09), um auditor fiscal da gerência regional do Trabalho e Emprego em Campina Grande interditou a empresa. “Não pode funcionar nada, sob pena de crime”, alertou o procurador. 

Os próximos passos, segundo explicou Raulino, são que a empresa, nos próximos dias, deva pedir uma desinterdição parcial e temporária do silo avariado, fazer uma análise de risco sobre esse equipamento e explicar como pretende escoar o milho que está no silo. Depois disso, deverá voltar a interdição total, e os outros dois silos deverão ser avaliados, inclusive a estrutura do prédio, para ver se houve avaria. Um dos silos estava vazio e o outro estava abastecido em 70% da capacidade.

Após todo esses procedimentos, segundo o procurador, caso não seja celebrado um termo de ajustamento de conduta, ele pode ingressar com uma ação civil pública. 
O procurador Raulino informou que, apesar da interdição, os trabalhadores da empresa continuam recebendo salário como se estivessem trabalhando.  

No acidente, o trabalhador José Eugênio Alves Pequeno Filho, de 51 anos, foi resgatado assim que a equipe dos bombeiros chegou ao local e recebeu alta ainda na noite da quarta-feira. Mas Geraldo José da Silva só foi resgatado após 40 minutos soterrado no milho. Ele foi socorrido em estado grave para o Hospital de Trauma de Campina Grande e morreu após várias tentativas de reanimação.

O corpo do trabalhador foi velado nesta quinta no Cemitério Novo da cidade de Queimadas.

ClickPB

Praça Cônego João Marques Pereira. Cep: 58580-000, S/N, Centro Serra Branca - Paraíba
(83) 3354.2000 (83) 9 9962.2957
Rádio FM Serra Branca Ltda. © 2017