Ricardo diz que Governo do Estado não pactua com o crime organizado


Última atualização em 12/09/2018 às 08h54, por Klebson

O governador Ricardo Coutinho (PSB) criticou, nesta segunda-feira (10) o fato de um dos presos resgatados do PB1, Romário Gomes da Silveira, o Romarinho, ter sido preso no mês de fevereiro e solto em audiência de custódia, mas afirmou que a polícia da Paraíba trabalha e vai continuar trabalhando para desmontar as quadrilhas do crime organizado. O ataque aconteceu na madrugada desta segunda-feira e provocou a fuga de 105 presos, dos quais 41 foram recapturados, ate o momento.

“Foi um ataque, não foi simplesmente uma fuga, foi um ataque de uma organização criminosa, utilizando recursos de terrorismo, utilizando armas que as polícias são proibidas de ter, como é o caso da metralhadora .50”, disse Ricardo, afirmando que não tem dúvida de que os demais presos que fugiram do PB1 serão recapturados.

O governador Ricardo Coutinho criticou o “oportunismo” de quem divulgou suposta invasão a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em João Pessoa. “Não houve nada com a UPA como foi bem explorado nas mídias sociais”, disse Ricardo.

Ricardo disse que não existe pactuação do seu governo com o crime organizado, tanto que quando ele assumiu, havia 7.800 detentos e hoje são 13.062 detentos na Paraíba, prova de que a polícia está trabalhando. “Se alguns pactuam aqui dentro da Paraíba, esse alguns não inclui o Governo do Estado”, assegurou.

O governador destacou que os criminosos utilizaram granadas, dinamites, metralhadoras .50, além de outros armamentos pesados, e dessa forma nenhum aparelho estatal está imune. “Nós haveremos de recapturar todos eles e não há motivo para qualquer pânico, a não ser a exploração barata e eleitoreira, que é natural”, disse Ricardo.

Paraíba Mix