Agora Na Rádio
Bom descanso - Até Amanhã...

Duas cidades do Cariri entram na lista entre as cidades da PB com maior incidência de doenças provenientes pela dengue


Última atualização em 05/06/2019 09:15, por Rebeca Andrade

A Paraíba registrou 5.168 casos prováveis de dengue em 2019, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), nesta terça-feira (4). Em relação ao mesmo período de 2018, quando houveram 4.604 notificações, foi constatado aumento de 12,25% no número de registros.

Os casos de chikungunya também apresentaram alta em relação ao ano anterior, segundo a SES, passando de 401 notificações para 453, o que indica um aumento de 12,97% no número de ocorrências.

Em contrapartida, os casos prováveis de doença aguda pelo vírus zika tiveram uma pequena redução, de 2,32%, com um número que caiu de 129 em 2018 para 126 este ano.

Entre os municípios paraibanos com maior incidência das três doenças, conforme a SES, estão Teixeira, Maturéia, Areia, Lucena, São Sebastião do Umbuzeiro, Princesa Isabel, Alagoa Nova, Esperança, Cacimba de Dentro, Conde, Sertãozinho, Baraúna, Caaporã, Araruna, Casserengue, Lagoa de Dentro, Taperoá, São José de Princesa e Juripiranga.

Mortes investigadas

Os dados da SES mostram que, em 2019, foram registradas 24 mortes com suspeita de dengue, zika ou chikungunya. Dessas, duas foram confirmadas para dengue, em Araruna em João Pessoa, e uma para Zika, em João Pessoa. Foram descartadas oito mortes.

Outras 13 mortes seguem em investigação, sendo quatro em João Pessoa, duas em Campina Grande, uma em Bayeux, uma no Conde, uma em Santa Rita, uma em Cacimba de Areia, uma em Fagundes, uma em Junco do Seridó e uma em Solânea.

De acordo com a Secretaria, 58,3% das mortes com suspeita dessas doenças foram de pessoas que tinham menos de 15 anos. Além disso, dos confirmados, um caso de dengue e um de zika são de crianças com menos de cinco anos.

A SES informou ainda que o carro fumacê deve seguir o cronograma de execução conforme os índices de infestação. Também pontuou que segue qualificando a rede assistencial para organizar o fluxo de amostras junto ao Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen).

De Olho no Cariri

Com G1 PB