A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Invalid argument supplied for foreach()

Filename: includes/header.php

Line Number: 44

Backtrace:

File: /home/serrabra/public_html/novo/application/views/includes/header.php
Line: 44
Function: _error_handler

File: /home/serrabra/public_html/novo/application/views/detalhes_noticia_view.php
Line: 1
Function: include_once

File: /home/serrabra/public_html/novo/application/controllers/Index_controller.php
Line: 117
Function: view

File: /home/serrabra/public_html/novo/index.php
Line: 315
Function: require_once

Bandeira vermelha sofre reajuste de 52% e conta de luz ficará mais cara a partir de julho


Última atualização em 30/06/2021 11:50, por Yan César

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu nesta terça-feira, 29, o reajuste na cobrança adicional feita pela bandeira vermelha. Diante da crise hídrica e da necessidade de ativação de termoelétricas, a taxa extra sofreu reajuste de 52%, saindo de R$ 6,24 para R$ 9,49 por cada 100 Kwh consumidos.

 

O novo valor passa a vigorar no mês de julho e deve impactar as finanças das famílias brasileiras a partir do próximo mês. Reajuste aprovado é 31% maior do que o reajuste inicialmente proposto pela entidade, que pretendia definir o novo valor da taxa extra em R$ 7,57.

 

O sistema de bandeiras foi implementado no Brasil ainda em 2015 e prevê uma taxa extra por cada 100 Kwh consumido como forma de tentar induzir a redução do consumo de energia da população como forma de evitar crises no fornecimento diante dos baixos níveis de água nos reservatórios das hidrelétricas.

 

Ao anunciar o reajuste no preço das cobranças adicionais de cada bandeira, a Aneel argumentava a medida como necessária diante do que define como “a pior crise hídrica dos últimos 91 anos”.

 

“Essa conjuntura pressiona os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD), levando à necessidade de acionamento do patamar 2 da bandeira vermelha”, completa a entidade ao definir o cenário como “um dos piores da história”, complementa, em nota, ao anunciar a reunião que definiu os novos valores.

 

Diante da seriedade da crise e da ativação de termoelétricas para suprir a demanda dos consumidores, o reajuste inicial proposto em 21% foi considerado insuficiente por técnicos da Aneel antes mesmo da reunião consultiva.

 

A avaliação dos especialistas era de que tal porcentual não seria suficiente para cobrir os custos da compra da energia produzida nas usinas termelétricas, estimado em cerca de R$ 9 bilhões para orçamento do Ministério de Minas e Energia, que repassa valor para os consumidores.

 

Com O Povo Online