Agora Na Rádio
Jornal do Meio Dia

Moro critica Bolsonaro e manda indiretas ao PT: “País está no rumo errado”


Última atualização em 10/11/2021 11:31, por Yan César

O ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Sergio Moro, oficializou na manhã desta quarta-feira (10) a filiação ao Podemos. O ato é visto como o primeiro passo para uma possível candidatura de Moro nas eleições de 2022, inclusive à Presidência da República.

Ao iniciar a fala, o ex-juiz pediu desculpas por não “ser a melhor pessoa para discursar”, mas disse que pode ser “alguém em quem as pessoas podem confiar”.

“A vida pública me testou mais de uma vez, como juiz e ministro. Vocês conhecem minha história e sabem que tomei decisões difíceis, nunca recuei de nenhum desafio. Por isso, eu peço atenção às minhas palavras. O Brasil não precisa de líderes que tenham voz bonita, precisa de líderes que ouçam a voz do povo brasileiro”, explanou.

“Eu nunca vou abandonar o Brasil. Se necessário eu lutaria sozinho pelo Brasil, seria Davi contra Golias”

O agora filiado ao Podemos fez um voto de pesar pelas vítimas da pandemia de Covid-19 e fez críticas à crise econômica.

“A inflação está muito alta. Quem vai a um posto de gasolina sabe que é muito mais. Os juros subiram, dificultando a vida dos empresários. Os juros vão subir mais e tonar a vida das pessoas mais difíceis”, criticou.

Segundo Moro, o desemprego começou a crescer “na época do PT e não parou mais”.

“O país se encontra no rumo errado”

Filiação ao Podemos 

O ex-ministro disse que decidiu retornar o Brasil, após um período de trabalho no exterior, após ser indagado por um estudante nos Estados Unidos se havia “abandonado o Brasil”.

“Voltei ao Brasil para ajudar construir um projeto que é de muitos. Ninguém existe só para si mesmo. Para isso, resolvi entrar na vida política e filiar ao Podemos. Não é um projeto de partido, é um projeto aberto a todos os partidos, do empresário ao trabalhador”, enfatizou.

“Queremos construir hoje o Brasil do futuro”

Lava Jato 

Moro afirmou que nunca “foi político” e disse que quando foi juiz, sempre esteve dedicado “a fazer justiça”.

“Meu propósito sempre foi ser justo com todos. Julguei caso de pessoas necessitadas.  Depois julguei processos de grandes traficantes, ladrões de banco. Tudo para proteger as pessoas, vítimas e povo brasileiro. Fui o juiz da Lava Jato em Curitiba. Quebramos a impunidade. Julgamos e condenamos pessoas poderosas e pela primeira vez pagaram pelos seus crimes”, destacou.

“Mostramos que a lei se aplica para todos”

Governo Bolsonaro 

Sérgio Moro disse que quando recebeu o convite para ser ministro da Justiça do governo Bolsonaro, tinha “esperança por dias melhores”.

“Ninguém combateu mais o crime organizado do que na minha gestão. Diziam que reduzir os crimes era impossível, mas nós fizemos. O meu desejo era continuar como ministro, mas infelizmente não pude prosseguir no governo. Quando aceitei não fiz pelo poder, acreditava em uma missão. Queria combater a corrupção, mas precisava do apoio do governo. E vi que meu trabalha estava sendo boicotado”, frisou.

Wallison Bezerra – MaisPB