Agora Na Rádio
Forró ao Pé da Serra

Especialista explica coceira em PE e não descarta surto na PB


Última atualização em 26/11/2021 11:46, por Yan César

 O grande Recife está monitorando um surto de lesões na pele que causam coceira. Até a noite desta quarta-feira (24), foram confirmados 149 casos de pessoas que apresentaram algum sintoma alérgico de natureza semelhante. Para entender mais sobre as possíveis causas.


De acordo com o infectologista Filipe Prohaska, chefe da triagem do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, os primeiros registros aconteceram em dois bairros na Região Metropolitana da Capital pernambucana,, e, até o momento, já estão presentes em seis cidades de Pernambuco. Por ora, especialistas da área acreditam que se trata de um conjunto de doenças já conhecidas, como: sarna humana, alergia e doenças causadas por mosquito.

“Realmente surge sempre uma suspeita de doença nova nesse momento. Iniciamos uma investigação mais voltada para o que já existe. Doenças que sabemos que já existem, mas em menor quantidade. Como ela apareceu em dois bairros e agora já chega a seis municípios, estamos avaliando quais as prováveis causas e também estamos tentando ver se tem alguma doença nova envolvida.” explicou o chefe da triagem do HU do grande Recife.

A medicina classifica um surto como uma doença que foge do padrão. Após os primeiros registros de lesões que causam coceira na pele, a Secretaria de saúde de Pernambuco emitiu a orientação de notificar, em até 24 horas, o estado sobre casos de pessoas com lesões cutâneas e coceira, o que pode ajudar a explicar o alto número de casos registrados. Os primeiros casos foram registrados ainda no início de outubro.

“É muito cedo para falar como seria essa projeção dessa transmissão. Depois que apareceu os primeiros casos houve a preocupação do governo de fazer o registro sempre que isso ocorresse. Então era natural que iria ter um aumento do número de casos. Ainda não dá para dizer se vai chegar em outras cidades, mas temos que trabalhar com outras cidades também.” analisou Filipe Prohaska.

Maispb