Agora Na Rádio
103 By Night

Coordenador do Gaeco diz Moro mostrou uma integridade rara e combate a corrupção continuará


Última atualização em 25/04/2020 14:29, por Jr Queiroz


A saída do ex ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro do governo Bolsonaro, que abriu uma crise no Palácio do Planalto e inevitavelmente causou apreensão e insegurança no futuro do presidente , repercutiu na Paraíba.

O coordenador do Gaeco na Paraíba, Octávio Paulo Neto, destacou a postura do ex ministro no combate a corrupção. Em uma postagem nas redes sociais, ele ressaltou que o combate à corrupção não depende de um homem, mas sim de um sentimento que deve permear aqueles que ostentam princípios. Ele observou com ou sem Moro, o combate a corrupção continuará.
Para ele, Moro mostrou uma integridade rara, ao renunciar o cargo de Ministro.

“O combate à corrupção não depende de um homem … mas sim de um sentimento que deve permear aqueles que ostentam princípios… Deste modo, com MORO ou não… quem tem esse sentimento permita que a resiliência seja maior e a luta mais intensa …. Moro mostrou uma integridade rara …”, postou nas redes sociais o coordenador do Gaeco na Paraíba,

Após a postagem do coordenador da Gaeco, o Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), publicou uma nota reconhecimento a atuação de Sérgio Moro à frente do Ministério da Justiça e Segurança Pública

NOTA DE RECONHECIMENTO
O Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), que congrega todos os chefes dos Ministérios Públicos do Brasil, vem a público externar o seu reconhecimento à atuação de Sérgio Moro que, à frente do Ministério da Justiça e Segurança Pública e também como Juiz Federal, sempre buscou prestigiar e fortalecer a independência do Ministério Público dos Estados e dos demais ramos do Ministério Público da União, contribuindo, assim, para o exercício de sua missão constitucional de defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.
Brasília/DF, 24 de abril de 2020.

PB Agora

Foto CBN